Quem sou eu

Minha foto

Escritor por ofício, natural de Poços de Caldas - MG, 57 anos, divorciado, residente no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Acadêmico correspondente da Academia de Arte de Cabo Frio e cidades da região dos lagos RJ; Acadêmico correspondente da Academia de Artes de Fortaleza CE; Acadêmico Corresponde da Academia de Letras ALPAS 21, Porto Alegre, RS.

Colunista nos Websites de Literatura:

  1. Recanto das Letras - Brasil
  2. World Art Friends - Portugal
  3. Poesia Fã Clube – Portugal
  4. Luso Poemas - Portugal

e titular dos  WebSite e Blog:

www.fabiorenatovillela.com

http://fabiorenatovillela.blogspot.com

                        LIVROS SOLOS PUBLICADOS

  • Poética 1 (pré lançamento)
  • Filósofos Modernos e Contemporâneos - (prelo)
  • Adaptação de OS LUSÍADAS ao Português Atual – 2000 -2007 - 2013
  • Umas 300 Poesias - 2012
  • Gregas Tragédias - Resumos Comentados - 2011
  • Cristina Poema – 2011
  • Filosofia Sem Mistérios - Dicionário Sintético de Filosofia (02 tomos) - 2010
  • Crônicos Contos Poéticos – 2010
  • Versos Reversos, poemas – 2010
  • Lilian em Versos - 2010
  • Deusas e Deuses Hindus - 2009
  • Onomástico dos Personagens e Lugares Bíblicos - 2009
  • Sobrevivendo com o Câncer Linfático – 2000 - 2012

Participação em trinta e duas Coletâneas e Antologias.

ALGUNS PRÊMIOS RECEBIDOS:

  • Classificado em 1º lugar no “MAPA CULTURAL PAULISTA” da Secretaria de Cultura do Governo do Estado de SÃO PAULO em 2013-2014 com o poema “Sete de Setembro”. 
  • Eleito um dos melhores poetas luso-brasileiros de 2012, pela Associação de Poetas de região autónoma de Madeira - Secretaria de Cultura de S.G do Amarantes, PORTUGAL, em comemoração ao ano do Brasil – Portugal.
  • Classificado na seletiva da Editora "L-Harmattan", Paris, FRANÇA, em 2010 com o livro "Lilian em Versos". 
  • Classificado para a Feira do livro de Frankfurt, ALEMANHA, em setembro/outubro 2010, com os contos "A Valsa" e "Deus, o homem e o vinho". 
  • Eleito "POETA REVELAÇÃO", em 2009, pela Editora Corpos cidade do Porto – PORTUGAL. 
  • Selecionado em 2006, pela Biblioteca Pública do Estado do Paraná, CURITIBA, para integrar o acervo digital da Instituição com o livro do livro "Sobrevivendo com o Câncer (1ª edição)". 
  • Classificado em 2º lugar no “XVI Concurso Internacional de Literatura da ALPAS 21”, PORTO ALEGRE, RS com a poesia "SECA" e menções honrosas para as poesias “A vida é”; “A tortura”; “Cordel”; “Boca” e “Ceia”. 
  • Classificado em 1º Lugar no “XV Concurso Internacional de Literatura – ALPAS 21”, PORTO ALEGRE, RS, com o Conto "Deus, o homem e o vinho". 
  • Classificado em 2º Lugar no “XIV Concurso Internacional de Poesias - da Casa de Cultura” CRUZ ALTA, RS. Com o poema “Luz” e menções honrosas para as poesias “Voz”, “Jarro” e para o conto “Lulu vegetariana” 
  • Classificado como um dos melhores poetas de 2009 pela ed. CBJE – Brasil, com a poesia "Ausência em amarelo". 
  • Eleito "Personalidade do ano de 2010" e “Personalidade do ano de 2012/2013” na área de produção literária, pela ARTPOP, Academia de Artes de Cabo Frio e região dos Lagos no Rio de Janeiro.

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Filosofia Sem Mistérios - Dicionário Sintético 133

NEPOTISMO – do Latim “NEPOS, NEPOTIS” = descendente.

No Brasil e em outros Países que ainda não atingiram a plenitude democrática, o termo “Nepotismo” é noticiado com uma freqüência indesejada, pois a ele estão atrelados os conceitos de prevaricação, corrupção e/ou, no mínimo, incompetência, ineficiência e vários outros adjetivos pejorativos.

Em sentido corriqueiro, o Nepotismo significa a prática de alguns políticos que empregam familiares no Serviço Público, em verdadeiras sinecuras, com os efeitos negativos supra mencionados, e mais os que surgem como efeito da não contratação de pessoas realmente aptas e capazes para os cargos que preencheram com seus apadrinhados.

Contudo, a bem da verdade, deve-se registrar que essa pratica não foi inventada por maus políticos de países subdesenvolvidos e nem lhes é exclusiva; como também não é fruto da atualidade. Aqui vale rememorar que o ilustre Pero Vaz de Caminha na carta que enviou ao Rei português relatando a descoberta da “Terra de Santa Cruz” acrescentou um pedido de emprego para um cunhado seu. A História não diz se foi atendido.

Historicamente situa-se o inicio do Nepotismo no começo do fortalecimento do Catolicismo, criado pelos Papas que favoreciam seus familiares com cargos de suma importância e generosamente bem remunerados. E, claro, em detrimento dos indivíduos realmente capazes e aptos para o desempenho daquelas funções. Dado o exemplo, o Nepotismo passou a ser usual em outros setores da Sociedade, particularmente nos Governos, causando injustas demissões e/ou não contratações de pessoas melhores qualificadas.

Além de imoral (mesmo que legal) esse comportamento foi o grande responsável pelas mazelas nos Serviços Públicos, fato que ocorre ainda hoje, malgrado os esforços das Sociedades Civis para eliminar essa prática funesta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário