Quem sou eu

Minha foto

Escritor por ofício, natural de Poços de Caldas - MG, 57 anos, divorciado, residente no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Acadêmico correspondente da Academia de Arte de Cabo Frio e cidades da região dos lagos RJ; Acadêmico correspondente da Academia de Artes de Fortaleza CE; Acadêmico Corresponde da Academia de Letras ALPAS 21, Porto Alegre, RS.

Colunista nos Websites de Literatura:

  1. Recanto das Letras - Brasil
  2. World Art Friends - Portugal
  3. Poesia Fã Clube – Portugal
  4. Luso Poemas - Portugal

e titular dos  WebSite e Blog:

www.fabiorenatovillela.com

http://fabiorenatovillela.blogspot.com

                        LIVROS SOLOS PUBLICADOS

  • Poética 1 (pré lançamento)
  • Filósofos Modernos e Contemporâneos - (prelo)
  • Adaptação de OS LUSÍADAS ao Português Atual – 2000 -2007 - 2013
  • Umas 300 Poesias - 2012
  • Gregas Tragédias - Resumos Comentados - 2011
  • Cristina Poema – 2011
  • Filosofia Sem Mistérios - Dicionário Sintético de Filosofia (02 tomos) - 2010
  • Crônicos Contos Poéticos – 2010
  • Versos Reversos, poemas – 2010
  • Lilian em Versos - 2010
  • Deusas e Deuses Hindus - 2009
  • Onomástico dos Personagens e Lugares Bíblicos - 2009
  • Sobrevivendo com o Câncer Linfático – 2000 - 2012

Participação em trinta e duas Coletâneas e Antologias.

ALGUNS PRÊMIOS RECEBIDOS:

  • Classificado em 1º lugar no “MAPA CULTURAL PAULISTA” da Secretaria de Cultura do Governo do Estado de SÃO PAULO em 2013-2014 com o poema “Sete de Setembro”. 
  • Eleito um dos melhores poetas luso-brasileiros de 2012, pela Associação de Poetas de região autónoma de Madeira - Secretaria de Cultura de S.G do Amarantes, PORTUGAL, em comemoração ao ano do Brasil – Portugal.
  • Classificado na seletiva da Editora "L-Harmattan", Paris, FRANÇA, em 2010 com o livro "Lilian em Versos". 
  • Classificado para a Feira do livro de Frankfurt, ALEMANHA, em setembro/outubro 2010, com os contos "A Valsa" e "Deus, o homem e o vinho". 
  • Eleito "POETA REVELAÇÃO", em 2009, pela Editora Corpos cidade do Porto – PORTUGAL. 
  • Selecionado em 2006, pela Biblioteca Pública do Estado do Paraná, CURITIBA, para integrar o acervo digital da Instituição com o livro do livro "Sobrevivendo com o Câncer (1ª edição)". 
  • Classificado em 2º lugar no “XVI Concurso Internacional de Literatura da ALPAS 21”, PORTO ALEGRE, RS com a poesia "SECA" e menções honrosas para as poesias “A vida é”; “A tortura”; “Cordel”; “Boca” e “Ceia”. 
  • Classificado em 1º Lugar no “XV Concurso Internacional de Literatura – ALPAS 21”, PORTO ALEGRE, RS, com o Conto "Deus, o homem e o vinho". 
  • Classificado em 2º Lugar no “XIV Concurso Internacional de Poesias - da Casa de Cultura” CRUZ ALTA, RS. Com o poema “Luz” e menções honrosas para as poesias “Voz”, “Jarro” e para o conto “Lulu vegetariana” 
  • Classificado como um dos melhores poetas de 2009 pela ed. CBJE – Brasil, com a poesia "Ausência em amarelo". 
  • Eleito "Personalidade do ano de 2010" e “Personalidade do ano de 2012/2013” na área de produção literária, pela ARTPOP, Academia de Artes de Cabo Frio e região dos Lagos no Rio de Janeiro.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Filosofia Sem Mistérios - Dicionário Sintético - 38

DARWINISMO – nome dado ao conjunto dos Pensamentos do naturalista inglês CHARLES DARWIN (1809/1882). Para DARWIN, a “Luta pela Sobrevivência (que para SCHOPENHAUER é motivada pela Vontade, ou Instinto de Sobrevivência)” e a “Seleção Natural” são os “mecanismos imprescindíveis” para que exista a evolução dos Seres Vivos. Mas o que é a “Evolução”?
Para DARWIN é um aprimoramento da capacidade dos Seres Vivos que, dessa forma, tem a vida mais facilitada. Note-se que para ele, a “Evolução” ou o “Aprimoramento” resume-se em melhorar as condições físicas, concretas; e o fato de passar longe de qualquer especulação mais profunda, abstrata, indica que ele não foi (e nem pretendeu) um filósofo. Ser o brilhante naturalista lhe era o suficiente. Mas quando se olha que foi o seu Sistema, o primeiro com rigor cientifico, que desfez dogmas e superstições que o Criacionismo* religioso impunha aos Homens, pode-se observar a importância que seus Estudos tiveram não apenas para as Ciências naturais. Mesmo que involuntariamente, foi capaz de alterar os modos que o Homem utilizava para especular a respeito de si mesmo e dos outros Seres, em um nível mais elevado. Em um nível filosófico.
A idéia da “Seleção Natural” é o eixo central da doutrina Darwiniana e pode ser resumida da seguinte maneira:
  1. Os indivíduos semelhantes formam populações que são chamadas de “ESPÉCIES”.
  2. Dentro das “Espécies”, alguns Indivíduos apresentam “VARIAÇÕES” que ocorrem ao acaso, ou melhor, a partir de causas incognoscíveis (ou seja, impossíveis de serem conhecidas).
  3. Os Indivíduos afetados por essas “VARIAÇOES” tornam-se “MELHORES ADAPTADOS” ao meio ambiente.
  4. Estando mais bem adaptado o Indivíduo passa a ter uma vida mais produtiva e confortável. Sua descendência herda-lhe as características favoráveis e, por sua vez, a repasse à sua prole.
  5. Nessa “cadeia de transmissão” o que se vê, então, é a melhor adaptabilidade de toda a Espécie em algum tempo futuro, com a extinção daqueles que não se adaptaram.
  6. Assim, a “Luta pela Vida” mais a “Seleção Natural” são os mecanismos que a Natureza utiliza para fazer a triagem dos “melhores indivíduos”. Embora tal aperfeiçoamento ocorra de forma muito lenta, em alguns casos quase que imperceptivelmente, é perpétuo. E, ao cabo e por alguma licença literária, pode até ser comparado ao DEVIR (ou perpétuo movimento) que o filósofo pré-socrático HERÁCLITO colocou como a Essência de tudo.
Sugerimos que o tópico “Evolucionismo” também seja consultado.
Na seqüência abordaremos outro Sistema Filosófico que adotou o nome de DARWINISMO SOCIAL, mas que é eivado de pensamentos relacionados a Thomas Malthus, ao MALTHUSIANISMO*.
Nele se vê que o Pensamento de DARWIN foi usado, ainda que de forma oblíqua, para dar nome à essa tendência que pretende explicar a concorrência (às vezes selvagens) entre os indivíduos de uma mesma comunidade, entre as comunidades e entre as nações, traçando-lhe certa analogia com o que se observa na Natureza quando os Seres competem pelo direito à vida. Por essa ótica, alguns pensadores, tentam inclusive justificar a exploração de uma Classe pela outra, alegando que a “Lei do Mais Forte” atua na civilização como atua na Natureza, variando apenas sua abrangência, seus resultados e seus modos (sic). Também argumentam que tal “Lei” é benéfica para a Sociedade na medida em que a depura dos elementos mais frágeis deixando-lhe apenas os “Vencedores” (sic); os quais, através de suas descendências farão da população uma “Espécie Melhorada”. Por esse raciocínio, até a instituição da Herança é aceitável, porque se alega que os “filhos dos vitoriosos” possuem genes melhores (sic) e que, portanto devem viver em boas condições para que possam florescer e dar prosseguimento à melhoria da população.   
São proposições inaceitáveis para a maioria que não deixam de execrar esse Sistema por reduzir o Homem ao mesmo nível dos outros animais e por ser uma apologia do Eugenismo*, que já foi buscado em várias ocasiões por diversos tiranos, como HITLER, por exemplo.
Contudo, se olhada sem passionalidade, tampouco sem a hipocrisia que a Moral vigente impõe, ver-se-á que em regra a Sociedade Humana comporta-se de maneira aproximada ao que propõe o DARWINISMO SOCIAL. Embora relute em admitir tal comportamento, um exame de consciência imparcial apontará para essa incômoda verdade. Também se verá, é certo, vigorosas e bem intencionadas tentativas de não deixar que a “Lei da Selva” impere de maneira absoluta e que existam correções efetivas contra os desmandos vindos do emprego da força bruta. O fato de sermos uma espécie com mais de Seis Bilhões de indivíduos e dominadora das demais, indica que tais esforços foram bem sucedidos, diga-se. Alguns Pensadores, inclusive, dão ao “Estado” a honra de ser a maior conquista da Humanidade, pois se a Natureza protege apenas ao mais Forte ou Ardiloso enquanto predispõe ao fim os “menos qualificados”; a instituição “Estado” defende estes últimos e dessa proteção é que se valem as capacitações que por serem mais elaboradas, mais abstratas, não encontram eco na vida selvagem, onde tudo que se quer é a mera sobrevivência. São, por exemplo, surdos como BEETHOVEN que compôs músicas geniais, ou escultores como o “Aleijadinho” que criou vida nas pedras, que seriam extintos se o DARWINISMO SOCIAL fosse integralmente seguido.
Todavia, se é certo que tais esforços existem, deve-se reconhecer que divergem da natureza humana. O Homem, quase que de forma automática, inveja, glorifica e bajula os “Mais bem Capacitados”, ou aqueles que parecem ser. Malgrado todo esforço civilizatório, a Natureza animal do Ser Humano não desapareceu e é esta parte que aceita (e até aspira) a “Lei da Natureza”. E quando se mostram contrários, é apenas por uma questão de conveniência ou medo de rejeição social.
SPENCER (1820/1903), inglês, é tido como um dos principais formuladores do DARWINISMO SOCIAL e, de fato, antes mesmo que seu patrício CHARLES, ele já tinha elaborado considerações sobre a Evolução; mas, em seus escritos a proposta de divisão natural entre os Indivíduos é colocada de passagem e não há uma clara apologia à discriminação. Também em CHARLES DARWIN nada se vê que possa sugerir que o pensador estivesse de alguma forma tencionando dividir os Homens segundo suas capacidades. Quando ele se refere à “Concorrência Vital” quer dizer apenas que o “mais apto” é aquele que descobriu, por mero acaso (ou por razões que não se conhece) a melhor maneira para sobreviver. A “Concorrência Vital” é só a maneira de como a Natureza opera a seleção: a luta de cada Indivíduo é contra o meio ambiente e não necessariamente contra o seu semelhante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário