Quem sou eu

Minha foto

Escritor por ofício, natural de Poços de Caldas - MG, 57 anos, divorciado, residente no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Acadêmico correspondente da Academia de Arte de Cabo Frio e cidades da região dos lagos RJ; Acadêmico correspondente da Academia de Artes de Fortaleza CE; Acadêmico Corresponde da Academia de Letras ALPAS 21, Porto Alegre, RS.

Colunista nos Websites de Literatura:

  1. Recanto das Letras - Brasil
  2. World Art Friends - Portugal
  3. Poesia Fã Clube – Portugal
  4. Luso Poemas - Portugal

e titular dos  WebSite e Blog:

www.fabiorenatovillela.com

http://fabiorenatovillela.blogspot.com

                        LIVROS SOLOS PUBLICADOS

  • Poética 1 (pré lançamento)
  • Filósofos Modernos e Contemporâneos - (prelo)
  • Adaptação de OS LUSÍADAS ao Português Atual – 2000 -2007 - 2013
  • Umas 300 Poesias - 2012
  • Gregas Tragédias - Resumos Comentados - 2011
  • Cristina Poema – 2011
  • Filosofia Sem Mistérios - Dicionário Sintético de Filosofia (02 tomos) - 2010
  • Crônicos Contos Poéticos – 2010
  • Versos Reversos, poemas – 2010
  • Lilian em Versos - 2010
  • Deusas e Deuses Hindus - 2009
  • Onomástico dos Personagens e Lugares Bíblicos - 2009
  • Sobrevivendo com o Câncer Linfático – 2000 - 2012

Participação em trinta e duas Coletâneas e Antologias.

ALGUNS PRÊMIOS RECEBIDOS:

  • Classificado em 1º lugar no “MAPA CULTURAL PAULISTA” da Secretaria de Cultura do Governo do Estado de SÃO PAULO em 2013-2014 com o poema “Sete de Setembro”. 
  • Eleito um dos melhores poetas luso-brasileiros de 2012, pela Associação de Poetas de região autónoma de Madeira - Secretaria de Cultura de S.G do Amarantes, PORTUGAL, em comemoração ao ano do Brasil – Portugal.
  • Classificado na seletiva da Editora "L-Harmattan", Paris, FRANÇA, em 2010 com o livro "Lilian em Versos". 
  • Classificado para a Feira do livro de Frankfurt, ALEMANHA, em setembro/outubro 2010, com os contos "A Valsa" e "Deus, o homem e o vinho". 
  • Eleito "POETA REVELAÇÃO", em 2009, pela Editora Corpos cidade do Porto – PORTUGAL. 
  • Selecionado em 2006, pela Biblioteca Pública do Estado do Paraná, CURITIBA, para integrar o acervo digital da Instituição com o livro do livro "Sobrevivendo com o Câncer (1ª edição)". 
  • Classificado em 2º lugar no “XVI Concurso Internacional de Literatura da ALPAS 21”, PORTO ALEGRE, RS com a poesia "SECA" e menções honrosas para as poesias “A vida é”; “A tortura”; “Cordel”; “Boca” e “Ceia”. 
  • Classificado em 1º Lugar no “XV Concurso Internacional de Literatura – ALPAS 21”, PORTO ALEGRE, RS, com o Conto "Deus, o homem e o vinho". 
  • Classificado em 2º Lugar no “XIV Concurso Internacional de Poesias - da Casa de Cultura” CRUZ ALTA, RS. Com o poema “Luz” e menções honrosas para as poesias “Voz”, “Jarro” e para o conto “Lulu vegetariana” 
  • Classificado como um dos melhores poetas de 2009 pela ed. CBJE – Brasil, com a poesia "Ausência em amarelo". 
  • Eleito "Personalidade do ano de 2010" e “Personalidade do ano de 2012/2013” na área de produção literária, pela ARTPOP, Academia de Artes de Cabo Frio e região dos Lagos no Rio de Janeiro.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Filosofia Sem Mistérios - Dicionário Sintético - 31

CONSUMISMO – porque a missão do filósofo (o amigo do saber) é esmiuçar o problema tentando compreendê-lo e não apenas de relatar a questão, achamos oportuno tecer algumas considerações sobre a motivação que dá causa ao Consumismo.
Tido como um dos males da Contemporaneidade e associado à superficialidade e à mediocridade o Consumo, no entanto, se olhado de forma isenta de pré-julgamento pode ser visto como algo além da mera puerilidade. Pode ser visto como a própria “Lei da Natureza1” camuflada com nova plumagem. Agora (e antes, também, diga-se) a simples força física já não é suficiente para garantir ao “poderoso” a predominância sobre o seu grupo social. Modernamente, “fortes e poderosos” são aqueles (as) que detém a força econômica, o poder financeiro. Poder, que geralmente é exposto através do consumo de supérfluos (para os demais, mas vitais para quem pode adquiri-los). Por via do Consumo exagerado, o qual indica claramente que seu executor tem posses, dinheiro, influencia, poder em suma. E que por merece (sic) ser reverenciado. Óbvio que o consumo é restrito à maioria e a impossibilidade de exercê-lo acarreta num segundo momento, raiva, frustração e outros sentimentos negativos. Mas por que, pode o leitor (a) indagar: só num segundo momento? Sim, porque no primeiro instante o que houve foi reverência, bajulação e subserviência ao “Poderoso”.
Prosseguindo com essa tese, chega-se com facilidade ao motivo de haver tanta repulsa (hipócrita, na maioria das vezes) ao Consumo e ao Consumista: raiva, medo, frustração e inveja de todos que não podem Consumir como aquele; mas que o fariam de bom grado caso houvesse a mínima possibilidade.
Se olharmos com atenção e sem preconceitos veremos que são motivos equivalentes, embora não sejam idênticos, aos daqueles que se opõem à “Lei da Natureza”. Execra-se um comportamento que é inacessível à maioria, como era o vigor físico na Antiguidade. Efetivamente, se a Força (física e/ou monetária) e o Poder dela decorrente não são para todos, que se estigmatizem os “Poderosos”, os “Fortes”, os Consumistas e que se console os “Fracos” com promessas de recompensas na “Vida Futura”, de favorecimento no “Juízo Final” ou, então, com a criação de Valores convencionados, e por isso dados como Verdadeiros, como a “nobreza da renúncia”, a “dignidade da miséria”, a “profundidade de sentimentos e de inteligência” e tantos outros. Valores e Promessas sem base natural, ou seja, sem base na natureza do Homem, e que, como se disse, são trocadas alegremente pela oportunidade de aumentar o Consumo.
Prosseguindo com esse exercício de sinceridade de Pensamento veremos que a maioria dos Indivíduos trocaria sem hesitar todas as Convenções pela chance de Consumir mais e é aí que se chega ao cerne da questão. Não se quer Consumir para desfrutar do que é delicioso, bom, bonito etc. É certo que num primeiro momento esses prazeres são efetivos, mas com o correr do tempo o hábito os torna sem maiores atrativos. Quer-se Consumir mais, apenas e tão somente para demonstrar e expor a “Força” perante o grupo social. Intui-se que só aos “Fortes (bem sucedidos [sic])” é dado o desejado respeito, amor e consideração. E como a questão é de Intuição, somos remetidos à triste realidade que em essência, não obstante alguns avanços, somos como nossos Ancestrais, ou como as outras espécies animais que compartilham o Planeta conosco.
Malgrado todas as “conquistas” (sic) de que se orgulha, o Homem, naquilo que tem de mais intimo, não evoluiu nada. Seu desejo mais ardente é o mesmo de antes: ser querido, ser amado, ser respeitado; e para ter isso é necessário que tenha Força, Poder. Se antes a Força física bastava, hoje, graças à “Sociedade Complexa e Sofisticada (sic)” que criou, a Força do Indivíduo é medida pelo seu saldo bancário e por aquilo que ele (a) expõe ao praticar o Consumismo desenfreado.
1.     Lei da Natureza ou Lei Natural – a Lei que regula os outros Seres, que ao contrário dos Humanos não criaram Códigos de proteção aos menos capazes.
Consumismo é um termo que vem do Latim CONSUMMATIO = adicionar, somar. Em termos literais é o estilo de vida e de comportamento típicos da chamada “Sociedade de Consumo”, Industrial, Capitalista, na qual os Indivíduos são pressionados a consumir bens e serviços que estão além de suas necessidades. Que lhes são supérfluos, mas que por força da publicidade tornam-se “necessários”. Para alguns, esse consumo exagerado é movido pelos capitalistas – através de suas estratégias comerciais – que pouco se importam com a perda de valores sentimentais, humanos que antes teciam a Sociedade, a qual, aliás, com a perda daqueles Valores encara problemas como o da violência motivada pelo desejo de consumo (os crimes cometidos pela maldade pura ou por questões passionais são infinitamente menores que os praticados para aumentar o poder de consumo de quem os praticou), desagregação familiar etc.
É um fato evidente, certamente, a ruptura social; mas como vimos anteriormente o desejo de se mostrar “Forte” para ser “querido e amado” pelo grupo está de tal modo embutido na psique humana, que seria ingênuo imaginar que a Humanidade possa abandonar essa sofreguidão de consumir. São remotas as chances de o Homem médio mudar seu modo de pensar. Continuará por muito tempo comportando-se como seus Antepassados, malgrado algumas exceções, é claro. Ainda é e por muito tempo será só mais uma das espécies que habitam a Terra e, como qualquer outra, não passa de mero escravo das “Leis da Natureza” que lhe modelam o caráter de tal forma que o Consumismo acaba sendo o único final possível.

Nenhum comentário:

Postar um comentário