Quem sou eu

Minha foto

Escritor por ofício, natural de Poços de Caldas - MG, 57 anos, divorciado, residente no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Acadêmico correspondente da Academia de Arte de Cabo Frio e cidades da região dos lagos RJ; Acadêmico correspondente da Academia de Artes de Fortaleza CE; Acadêmico Corresponde da Academia de Letras ALPAS 21, Porto Alegre, RS.

Colunista nos Websites de Literatura:

  1. Recanto das Letras - Brasil
  2. World Art Friends - Portugal
  3. Poesia Fã Clube – Portugal
  4. Luso Poemas - Portugal

e titular dos  WebSite e Blog:

www.fabiorenatovillela.com

http://fabiorenatovillela.blogspot.com

                        LIVROS SOLOS PUBLICADOS

  • Poética 1 (pré lançamento)
  • Filósofos Modernos e Contemporâneos - (prelo)
  • Adaptação de OS LUSÍADAS ao Português Atual – 2000 -2007 - 2013
  • Umas 300 Poesias - 2012
  • Gregas Tragédias - Resumos Comentados - 2011
  • Cristina Poema – 2011
  • Filosofia Sem Mistérios - Dicionário Sintético de Filosofia (02 tomos) - 2010
  • Crônicos Contos Poéticos – 2010
  • Versos Reversos, poemas – 2010
  • Lilian em Versos - 2010
  • Deusas e Deuses Hindus - 2009
  • Onomástico dos Personagens e Lugares Bíblicos - 2009
  • Sobrevivendo com o Câncer Linfático – 2000 - 2012

Participação em trinta e duas Coletâneas e Antologias.

ALGUNS PRÊMIOS RECEBIDOS:

  • Classificado em 1º lugar no “MAPA CULTURAL PAULISTA” da Secretaria de Cultura do Governo do Estado de SÃO PAULO em 2013-2014 com o poema “Sete de Setembro”. 
  • Eleito um dos melhores poetas luso-brasileiros de 2012, pela Associação de Poetas de região autónoma de Madeira - Secretaria de Cultura de S.G do Amarantes, PORTUGAL, em comemoração ao ano do Brasil – Portugal.
  • Classificado na seletiva da Editora "L-Harmattan", Paris, FRANÇA, em 2010 com o livro "Lilian em Versos". 
  • Classificado para a Feira do livro de Frankfurt, ALEMANHA, em setembro/outubro 2010, com os contos "A Valsa" e "Deus, o homem e o vinho". 
  • Eleito "POETA REVELAÇÃO", em 2009, pela Editora Corpos cidade do Porto – PORTUGAL. 
  • Selecionado em 2006, pela Biblioteca Pública do Estado do Paraná, CURITIBA, para integrar o acervo digital da Instituição com o livro do livro "Sobrevivendo com o Câncer (1ª edição)". 
  • Classificado em 2º lugar no “XVI Concurso Internacional de Literatura da ALPAS 21”, PORTO ALEGRE, RS com a poesia "SECA" e menções honrosas para as poesias “A vida é”; “A tortura”; “Cordel”; “Boca” e “Ceia”. 
  • Classificado em 1º Lugar no “XV Concurso Internacional de Literatura – ALPAS 21”, PORTO ALEGRE, RS, com o Conto "Deus, o homem e o vinho". 
  • Classificado em 2º Lugar no “XIV Concurso Internacional de Poesias - da Casa de Cultura” CRUZ ALTA, RS. Com o poema “Luz” e menções honrosas para as poesias “Voz”, “Jarro” e para o conto “Lulu vegetariana” 
  • Classificado como um dos melhores poetas de 2009 pela ed. CBJE – Brasil, com a poesia "Ausência em amarelo". 
  • Eleito "Personalidade do ano de 2010" e “Personalidade do ano de 2012/2013” na área de produção literária, pela ARTPOP, Academia de Artes de Cabo Frio e região dos Lagos no Rio de Janeiro.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Filosofia Sem Mistérios - Dicionário Sintético - 30

CONVENCIONALISMO – são todas as Doutrinas que aceitam como Verdadeiras certas proposições (ou afirmações) mesmo que para validá-las não existam outros fatores que não sejam a concordância, tácita ou explicita, entre os Indivíduos que as utilizam em seus estudos e pesquisas. E as convenções estão presentes em quase todas as matérias de estudo.
Os gregos antigos já faziam uso das convenções que eles separavam das certezas embasadas em dados reais (ou físicos, verificáveis por experimentação). Tinham, então, o que “é válido por convenção” e o que é “válido por natureza”. “Válido por natureza” no sentido de que era naturalmente evidente tal coisa. Demócrito, por exemplo, dizia: o doce e o amargo, o quente e o frio etc. são tais (são aceitas como verdades) por convenção (ou por acordo entre os Indivíduos). Só os Átomos e o vácuo são tais, por serem Verdades Naturais (são naturalmente evidentes e comprováveis).
Também os Sofistas, principalmente os da última geração, utilizaram essa diferenciação, mas limitada ao campo da Política. Pode-se ver em “A República” de Platão, a personagem TRASÍMACO como um exemplo desses Sofistas que, entre outras, sustentavam a opinião de que as Leis Humanas são meras convenções entre os Homens e que visariam impedir que os mais fortes subjugassem os mais fracos. Por essas convenções queria-se impedir que a Lei da Natureza agisse livremente eliminando os indivíduos menos aptos à vida (cabe aqui o seguinte comentário: mas essa convenção humana já não teria sido implantada na Humanidade pela própria natureza que assim estaria evitando o desaparecimento de grande parte de indivíduos de uma espécie?).
Aliás, no parágrafo acima, pode-se pensar que esse tipo de raciocino teria sido uma das fontes em que Nietzsche bebeu para compor seu sistema filosófico. Claro que a negação do restante que complementa a convenção humana, como a Lei, a Moral, a Religião etc. surgiu naturalmente.
Nos séculos XVII e XVIII um dos Sistemas Filosóficos dominante foi o Contratualismo*, relativo ao “Contrato Social” que os Homens fazem para viverem em comunidade contando com a defesa mutua, mesmo que para isso abram mão de sua primitiva liberdade. Nesse modo de Pensar encontra-se a raiz do moderno Estado com suas Leis, Normas, etc. Claro que a partir daí a constatação que o Estado é uma verdadeira convenção humana tornou-se evidente e para alguns filósofos, como HEGEL, por exemplo, a forma mais evoluída que uma Alma pode alcançar.
O Empirista inglês, Hume, dizia sobre essa convenção que a mesma não é uma “Promessa Formal (vale dizer: formal, explicita, declarada), mas é um tipo de Sentimento (ou intuição) do Interesse Comum. Essa constatação, aliás, acaba confirmando a observação que acima fizemos sobre as Convenções serem embutidas nos Homens, que depois as tornam explicitas e aplicadas no cotidiano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário