Quem sou eu

Minha foto

Escritor por ofício, natural de Poços de Caldas - MG, 57 anos, divorciado, residente no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Acadêmico correspondente da Academia de Arte de Cabo Frio e cidades da região dos lagos RJ; Acadêmico correspondente da Academia de Artes de Fortaleza CE; Acadêmico Corresponde da Academia de Letras ALPAS 21, Porto Alegre, RS.

Colunista nos Websites de Literatura:

  1. Recanto das Letras - Brasil
  2. World Art Friends - Portugal
  3. Poesia Fã Clube – Portugal
  4. Luso Poemas - Portugal

e titular dos  WebSite e Blog:

www.fabiorenatovillela.com

http://fabiorenatovillela.blogspot.com

                        LIVROS SOLOS PUBLICADOS

  • Poética 1 (pré lançamento)
  • Filósofos Modernos e Contemporâneos - (prelo)
  • Adaptação de OS LUSÍADAS ao Português Atual – 2000 -2007 - 2013
  • Umas 300 Poesias - 2012
  • Gregas Tragédias - Resumos Comentados - 2011
  • Cristina Poema – 2011
  • Filosofia Sem Mistérios - Dicionário Sintético de Filosofia (02 tomos) - 2010
  • Crônicos Contos Poéticos – 2010
  • Versos Reversos, poemas – 2010
  • Lilian em Versos - 2010
  • Deusas e Deuses Hindus - 2009
  • Onomástico dos Personagens e Lugares Bíblicos - 2009
  • Sobrevivendo com o Câncer Linfático – 2000 - 2012

Participação em trinta e duas Coletâneas e Antologias.

ALGUNS PRÊMIOS RECEBIDOS:

  • Classificado em 1º lugar no “MAPA CULTURAL PAULISTA” da Secretaria de Cultura do Governo do Estado de SÃO PAULO em 2013-2014 com o poema “Sete de Setembro”. 
  • Eleito um dos melhores poetas luso-brasileiros de 2012, pela Associação de Poetas de região autónoma de Madeira - Secretaria de Cultura de S.G do Amarantes, PORTUGAL, em comemoração ao ano do Brasil – Portugal.
  • Classificado na seletiva da Editora "L-Harmattan", Paris, FRANÇA, em 2010 com o livro "Lilian em Versos". 
  • Classificado para a Feira do livro de Frankfurt, ALEMANHA, em setembro/outubro 2010, com os contos "A Valsa" e "Deus, o homem e o vinho". 
  • Eleito "POETA REVELAÇÃO", em 2009, pela Editora Corpos cidade do Porto – PORTUGAL. 
  • Selecionado em 2006, pela Biblioteca Pública do Estado do Paraná, CURITIBA, para integrar o acervo digital da Instituição com o livro do livro "Sobrevivendo com o Câncer (1ª edição)". 
  • Classificado em 2º lugar no “XVI Concurso Internacional de Literatura da ALPAS 21”, PORTO ALEGRE, RS com a poesia "SECA" e menções honrosas para as poesias “A vida é”; “A tortura”; “Cordel”; “Boca” e “Ceia”. 
  • Classificado em 1º Lugar no “XV Concurso Internacional de Literatura – ALPAS 21”, PORTO ALEGRE, RS, com o Conto "Deus, o homem e o vinho". 
  • Classificado em 2º Lugar no “XIV Concurso Internacional de Poesias - da Casa de Cultura” CRUZ ALTA, RS. Com o poema “Luz” e menções honrosas para as poesias “Voz”, “Jarro” e para o conto “Lulu vegetariana” 
  • Classificado como um dos melhores poetas de 2009 pela ed. CBJE – Brasil, com a poesia "Ausência em amarelo". 
  • Eleito "Personalidade do ano de 2010" e “Personalidade do ano de 2012/2013” na área de produção literária, pela ARTPOP, Academia de Artes de Cabo Frio e região dos Lagos no Rio de Janeiro.

domingo, 20 de junho de 2010

Filosofia Sem Mistérios - Dicionário Sintético 189

TRAUMATISMO – do grego “TRAUMA” = ferida.

Termo que ganhou popularidade a partir da década de 1960 quando a Psicanálise tornou-se mais acessível e, por isso, mais difundida. Graças a isso, porém, a palavra “Trauma” foi perdendo seu significado original (ferimento físico) para servir de rótulo a um sem número de questões emocionais e pretensamente mentais. Foi a época em que qualquer desvio de conduta era debitado a “traumas”, os quais seria “evitados ou tratados” com a mudança de comportamento no ensino das crianças e/ou em milagrosas (sic) sessões de “análises psicodramáticas” e outras “terapias” do gênero, que no mais das vezes eram ministradas por pessoas sem a menor noção do que estavam fazendo. Sem que soubessem corretamente o que isso representava, pois da Universidade tinham mantido distância.

Contudo, essa situação foi positiva por ter divulgado que as emoções podem e devem ser tratadas e que comportamentos “esquisitos” não eram “possessões demoníacas” ou “encostos espirituais”. Porém, teve o lado negativo que acima já delineamos; ou seja, por ter servido a vários falsários que além de iludirem seus “pacientes” ocasionaram certa má fama aos verdadeiros Profissionais da área; os quais, ainda hoje são obrigados a combater falsas panacéias apresentadas em embalagens de falsas “auto-ajuda”, que tanto proliferam no ramo da escrita, quanto no da “alimentação equilibrada”, no mau uso de práticas milenares como a Yoga, por exemplo, e até na farmacopéia dita “natural ou fitoterápica”.

Neste ensaio abordaremos a questão psicológica apenas no que diz respeito à sua verdadeira atuação, deixando de lado os falsários acima mencionados, que melhor seriam descritos em processos policiais que em Dicionário de Filosofia.

A partir dessa diferenciação, abordaremos os aspectos mais freqüentes da questão:

1. Distúrbio Psicossomático – relembrando que “somático” é sinônimo de físico, do corpo físico. São os sofrimentos causados por uma lesão física ou por uma emoção violenta que acarreta uma reação do corpo. Em ambos os aspectos a duração é variável, e no caso da patologia ser física é quase sempre possível a total reabilitação; porém, no segundo caso, o de padecimento emocional, não é raro que o paciente passe a consumir drogas (legais ou ilícitas) na vã tentativa de minorar seu sofrimento, posto que sua cura demande um tratamento invisível, abstrato e quase sempre demorado. É uma situação deveras difícil, pois além de nada contribuírem para a recuperação do paciente, essas drogas causam-lhe novos (e talvez mais graves) padeceres; os quais vão do vício naquela substância e na conseqüente desestruturação social e familiar e, em certos casos, ao suicídio. Tanto o direto, quanto o indireto que consiste na perda da vontade de viver. Além, é claro, de várias outras patologias que os Doutores da área podem enumerar com a minúcia que aqui seria desnecessária.

2. Na Psicanálise segundo Freud (1856/1939, ex Império Austro-Húngaro) um choque, ou um situação extremamente desagradável na infância acarreta o “Trauma”, ou um “ferimento emocional” que leva ao fracasso dos mecanismos de defesa do Indivíduo abusado, abrindo brechas em sua psique por onde se formam as neuroses, as psicoses; as quais, no mínimo acarretam comportamentos apáticos, depressivos. E numa escala de maior risco, tentativa explicita ou dissimulada de suicídio (como nos casos de bulimia, anorexia), incapacidade de manter relações sociais, amistosas e/ou amorosas, substituídas por atos de violências domésticas contra os parceiros (as) e/ou filhos, animais e outros seres que lhe são “inferiores” ou dele dependentes. E nessa escalada, chega-se aos comportamentos sádicos, cruéis e criminosos.

3. Traumatismo na Infância - ainda segundo Freud, quando os choques traumáticos atingem todo um grupo de crianças (como as que convivem com uma guerra, por exemplo) os comportamentos já descritos são potencialmente perigosos por envolverem um grupo de indivíduos cujas índoles foram deformadas.

Este Ensaio é dedicado aos Profissionais da área de Psicologia e de Psiquiatria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário