Quem sou eu

Minha foto

Escritor por ofício, natural de Poços de Caldas - MG, 57 anos, divorciado, residente no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Acadêmico correspondente da Academia de Arte de Cabo Frio e cidades da região dos lagos RJ; Acadêmico correspondente da Academia de Artes de Fortaleza CE; Acadêmico Corresponde da Academia de Letras ALPAS 21, Porto Alegre, RS.

Colunista nos Websites de Literatura:

  1. Recanto das Letras - Brasil
  2. World Art Friends - Portugal
  3. Poesia Fã Clube – Portugal
  4. Luso Poemas - Portugal

e titular dos  WebSite e Blog:

www.fabiorenatovillela.com

http://fabiorenatovillela.blogspot.com

                        LIVROS SOLOS PUBLICADOS

  • Poética 1 (pré lançamento)
  • Filósofos Modernos e Contemporâneos - (prelo)
  • Adaptação de OS LUSÍADAS ao Português Atual – 2000 -2007 - 2013
  • Umas 300 Poesias - 2012
  • Gregas Tragédias - Resumos Comentados - 2011
  • Cristina Poema – 2011
  • Filosofia Sem Mistérios - Dicionário Sintético de Filosofia (02 tomos) - 2010
  • Crônicos Contos Poéticos – 2010
  • Versos Reversos, poemas – 2010
  • Lilian em Versos - 2010
  • Deusas e Deuses Hindus - 2009
  • Onomástico dos Personagens e Lugares Bíblicos - 2009
  • Sobrevivendo com o Câncer Linfático – 2000 - 2012

Participação em trinta e duas Coletâneas e Antologias.

ALGUNS PRÊMIOS RECEBIDOS:

  • Classificado em 1º lugar no “MAPA CULTURAL PAULISTA” da Secretaria de Cultura do Governo do Estado de SÃO PAULO em 2013-2014 com o poema “Sete de Setembro”. 
  • Eleito um dos melhores poetas luso-brasileiros de 2012, pela Associação de Poetas de região autónoma de Madeira - Secretaria de Cultura de S.G do Amarantes, PORTUGAL, em comemoração ao ano do Brasil – Portugal.
  • Classificado na seletiva da Editora "L-Harmattan", Paris, FRANÇA, em 2010 com o livro "Lilian em Versos". 
  • Classificado para a Feira do livro de Frankfurt, ALEMANHA, em setembro/outubro 2010, com os contos "A Valsa" e "Deus, o homem e o vinho". 
  • Eleito "POETA REVELAÇÃO", em 2009, pela Editora Corpos cidade do Porto – PORTUGAL. 
  • Selecionado em 2006, pela Biblioteca Pública do Estado do Paraná, CURITIBA, para integrar o acervo digital da Instituição com o livro do livro "Sobrevivendo com o Câncer (1ª edição)". 
  • Classificado em 2º lugar no “XVI Concurso Internacional de Literatura da ALPAS 21”, PORTO ALEGRE, RS com a poesia "SECA" e menções honrosas para as poesias “A vida é”; “A tortura”; “Cordel”; “Boca” e “Ceia”. 
  • Classificado em 1º Lugar no “XV Concurso Internacional de Literatura – ALPAS 21”, PORTO ALEGRE, RS, com o Conto "Deus, o homem e o vinho". 
  • Classificado em 2º Lugar no “XIV Concurso Internacional de Poesias - da Casa de Cultura” CRUZ ALTA, RS. Com o poema “Luz” e menções honrosas para as poesias “Voz”, “Jarro” e para o conto “Lulu vegetariana” 
  • Classificado como um dos melhores poetas de 2009 pela ed. CBJE – Brasil, com a poesia "Ausência em amarelo". 
  • Eleito "Personalidade do ano de 2010" e “Personalidade do ano de 2012/2013” na área de produção literária, pela ARTPOP, Academia de Artes de Cabo Frio e região dos Lagos no Rio de Janeiro.

sábado, 10 de abril de 2010

Filosofia Sem Mistérios - Dicionário Sintético 123

MOLINISMO – embora seja essencialmente teológica, a Doutrina elaborada por LUIS de MOLINA (1535/1600, Espanha) será brevemente mencionada nesse Dicionário de Filosofia em razão da abordagem que faz sobre o comportamento humano; pois embora não seja original nesse quesito, reafirma a tese da “Graça Divina” defendida por Santo Agostinho e dá um pequeno vislumbre sobre as “Circunstâncias” da vida a limitar o Homem, conforme teorizou ORTEGA y GASSET, na Espanha do século XX. Para o padre jesuíta MOLINA, as intenções e as ações dos Homens seguem um roteiro pré estabelecido por Deus, que o torna mais ou menos suave de acordo com os méritos da pessoa. Porém, essas virtudes não são o produto do esforço individual, mas também dádivas que Deus oferta a quem escolher; e, claro, já são de seu conhecimento antes que o Individuo pratique ou não as boas ou as más ações.

Pelo conjunto exposto acima, é óbvio que para MOLINA não existe qualquer liberdade para o Ser Humano, cujo destino já está traçado. E, mesmo assim, o teólogo insiste na necessidade do Homem exercer os bons atos e costumes. Conclui-se de tal arenga que não há qualquer racionalidade na vida humana, pois se tudo já está pré-definido por que esforçar-se para ser virtuoso? Aliás, por que viver?

O óbvio, contudo, perde um pouco de sua significação se tal Doutrina for olhada dentro dos períodos históricos em que foi criada, quando a “Onipotência Divina” sequer era questionada. Era uma “Verdade” que se concordava tácita ou explicitamente, bem como sobre a condição do Homem ser a de mero fantoche. Outro ponto a quebrar a obviedade que naturalmente a questão enseja, refere-se ao “Império das Circunstâncias”, quer sejam de ordem material, ou de ordem sentimental ou de ordem intelectual. Em qualquer uma dessas categorias, todos os indivíduos se encaixam e alguns em mais de uma. Logo, revendo-se a questão, conclui-se que, de fato, a conjunção de circunstâncias alheias à vontade do individuo bloqueia-lhe o caminho para a liberdade e se ele exerce o “livre arbítrio” é de modo parcial, ou superficial e fantasioso. Essa é a condição humana que o filósofo GASSET, supra citado, definiu com exatidão quando disse: “sou eu e as minhas circunstâncias”.

Vale, pois, refletir se na tese de Santo Agostinho e depois na de Molina não estaria embutida, disfarçadamente, essa constatação da falta de liberdade humana; a qual, além de suas cadeias naturais, nas épocas em que viveram os filósofos também era cerceada pela severa imposição dos dogmas Católicos. É o oficio do filósofo. Rejeitar os pré-julgamentos e tentar abarcar intenções que foram ocultadas por motivos vários.

Por fim, registre-se que os MOLINISTAS foram adversários dos adeptos do JANSENISMO* nos debates, ou querelas, que versavam sobre o “livre-arbítrio” e a “Graça (ou os favores) Divina”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário