Quem sou eu

Minha foto

Escritor por ofício, natural de Poços de Caldas - MG, 57 anos, divorciado, residente no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Acadêmico correspondente da Academia de Arte de Cabo Frio e cidades da região dos lagos RJ; Acadêmico correspondente da Academia de Artes de Fortaleza CE; Acadêmico Corresponde da Academia de Letras ALPAS 21, Porto Alegre, RS.

Colunista nos Websites de Literatura:

  1. Recanto das Letras - Brasil
  2. World Art Friends - Portugal
  3. Poesia Fã Clube – Portugal
  4. Luso Poemas - Portugal

e titular dos  WebSite e Blog:

www.fabiorenatovillela.com

http://fabiorenatovillela.blogspot.com

                        LIVROS SOLOS PUBLICADOS

  • Poética 1 (pré lançamento)
  • Filósofos Modernos e Contemporâneos - (prelo)
  • Adaptação de OS LUSÍADAS ao Português Atual – 2000 -2007 - 2013
  • Umas 300 Poesias - 2012
  • Gregas Tragédias - Resumos Comentados - 2011
  • Cristina Poema – 2011
  • Filosofia Sem Mistérios - Dicionário Sintético de Filosofia (02 tomos) - 2010
  • Crônicos Contos Poéticos – 2010
  • Versos Reversos, poemas – 2010
  • Lilian em Versos - 2010
  • Deusas e Deuses Hindus - 2009
  • Onomástico dos Personagens e Lugares Bíblicos - 2009
  • Sobrevivendo com o Câncer Linfático – 2000 - 2012

Participação em trinta e duas Coletâneas e Antologias.

ALGUNS PRÊMIOS RECEBIDOS:

  • Classificado em 1º lugar no “MAPA CULTURAL PAULISTA” da Secretaria de Cultura do Governo do Estado de SÃO PAULO em 2013-2014 com o poema “Sete de Setembro”. 
  • Eleito um dos melhores poetas luso-brasileiros de 2012, pela Associação de Poetas de região autónoma de Madeira - Secretaria de Cultura de S.G do Amarantes, PORTUGAL, em comemoração ao ano do Brasil – Portugal.
  • Classificado na seletiva da Editora "L-Harmattan", Paris, FRANÇA, em 2010 com o livro "Lilian em Versos". 
  • Classificado para a Feira do livro de Frankfurt, ALEMANHA, em setembro/outubro 2010, com os contos "A Valsa" e "Deus, o homem e o vinho". 
  • Eleito "POETA REVELAÇÃO", em 2009, pela Editora Corpos cidade do Porto – PORTUGAL. 
  • Selecionado em 2006, pela Biblioteca Pública do Estado do Paraná, CURITIBA, para integrar o acervo digital da Instituição com o livro do livro "Sobrevivendo com o Câncer (1ª edição)". 
  • Classificado em 2º lugar no “XVI Concurso Internacional de Literatura da ALPAS 21”, PORTO ALEGRE, RS com a poesia "SECA" e menções honrosas para as poesias “A vida é”; “A tortura”; “Cordel”; “Boca” e “Ceia”. 
  • Classificado em 1º Lugar no “XV Concurso Internacional de Literatura – ALPAS 21”, PORTO ALEGRE, RS, com o Conto "Deus, o homem e o vinho". 
  • Classificado em 2º Lugar no “XIV Concurso Internacional de Poesias - da Casa de Cultura” CRUZ ALTA, RS. Com o poema “Luz” e menções honrosas para as poesias “Voz”, “Jarro” e para o conto “Lulu vegetariana” 
  • Classificado como um dos melhores poetas de 2009 pela ed. CBJE – Brasil, com a poesia "Ausência em amarelo". 
  • Eleito "Personalidade do ano de 2010" e “Personalidade do ano de 2012/2013” na área de produção literária, pela ARTPOP, Academia de Artes de Cabo Frio e região dos Lagos no Rio de Janeiro.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Filosofia Sem Mistérios - Dicionário Sintético 125

MONISMO – do grego “MONOS” = único.

A questão do Monismo é central na Filosofia Hindu e conseqüentemente na teologia da Índia. Grosso modo, o Hinduísmo se divide entre as Correntes que pregam o “Monismo" e as que defendem o “Dualismo”.

Quando a REALIDADE (note-se que não se trata do divino) reúne, ao mesmo tempo, os elementos materiais e os espirituais (aqui, sim, incluindo Deus) têm-se o MONISMO. Tudo é um.

Quando a Realidade Material é “apenas” uma cópia, ou uma representação, das “Idéias (no sentido platônico)” tem-se o DUALISMO, pois o “Todo” é a soma de Matéria + Essência (e de outros elementos, segundo a crença que se segue).

Na Índia o embate dessas opiniões contrárias durou séculos e ainda hoje não está totalmente resolvido. Não há um consenso, tampouco a predominância de um Sistema em relação ao outro. Como há tolerância ideológica e religiosa, (exceto entre os Muçulmanos e os Hindus que vez ou outra tomam posições radicais e o confronto se generaliza causando mortes, ferimentos e destruições) o convívio entre as duas Correntes prossegue sem grandes sobressaltos e essa relativa paz entre opostos seguiu com o Hinduísmo quando ele foi buscado pelos filósofos Pré-Socráticos, e depois por Sócrates e por Platão. Essa divisão de opiniões no Ocidente é apresentada da seguinte forma:

MONISMO é o nome dado a toda Doutrina que afirma ser o Universo (com o Homem incluído) governado por um único Principio, ou Lei, ou Energia, ou Deus. Segundo os eruditos: é toda Teoria segundo a qual o “Ser” que só apresenta uma multiplicidade aparente, procede de um único Principio e se reduz a uma única realidade constitutiva, a matéria ou o espírito. Em outros termos: a Existência ou a Realidade só aparentemente é múltipla; isto é, composta de vários elementos. Na verdade, o “Ser” ou “Existir” vem de uma única Essência e por isso também é formado por um só Elemento, que pode ser ESPIRITUAL (aí, inserindo-se a intelectualidade, ou racionalidade), ou TEÍSTA ou MATERIAL. Desse modo é possível a existência dos seguintes tipos de Monismo:

1. Quando se afirma que a Essência da Realidade é um “Principio Espiritual”, tem-se o “Monismo Espiritualista”, que pode ser subdividido em “Dialético de Hegel”, pois para o filósofo tudo que existe é fruto do embate entre Tese vs. Antítese. E o “Panteísmo* de Spinoza”. Atente-se para o fato de que não importa em quantas maneiras Deus se manifesta, pois o MONISMO é referente à Realidade e não à divindade. Não se deve confundir o Monismo com o Monoteísmo*. O Elemento que forma a Realidade é uma abstração, um pensamento, uma representação daquele "SER" que se chama de Deus, ou daqueles que se chamam de deuses.

2. Quando se considera Deus como criador do Mundo – a partir no Nada (ex-Nihillo) e se considera que a Divindade é a Essência do Mundo tem-se o “Monismo Teísta”.

3. Ao se considerar a Matéria ou a Natureza como a Essência da Realidade Suprema, tem-se o “Monismo Materialista ou Naturalista”, e nele inserido o “Monismo Mecanicista” que é ter a “Lei da Mecânica (dos movimentos e dos comportamentos que seguem um padrão, uma regra)” como a essência da Realidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário