Quem sou eu

Minha foto

Escritor por ofício, natural de Poços de Caldas - MG, 57 anos, divorciado, residente no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Acadêmico correspondente da Academia de Arte de Cabo Frio e cidades da região dos lagos RJ; Acadêmico correspondente da Academia de Artes de Fortaleza CE; Acadêmico Corresponde da Academia de Letras ALPAS 21, Porto Alegre, RS.

Colunista nos Websites de Literatura:

  1. Recanto das Letras - Brasil
  2. World Art Friends - Portugal
  3. Poesia Fã Clube – Portugal
  4. Luso Poemas - Portugal

e titular dos  WebSite e Blog:

www.fabiorenatovillela.com

http://fabiorenatovillela.blogspot.com

                        LIVROS SOLOS PUBLICADOS

  • Poética 1 (pré lançamento)
  • Filósofos Modernos e Contemporâneos - (prelo)
  • Adaptação de OS LUSÍADAS ao Português Atual – 2000 -2007 - 2013
  • Umas 300 Poesias - 2012
  • Gregas Tragédias - Resumos Comentados - 2011
  • Cristina Poema – 2011
  • Filosofia Sem Mistérios - Dicionário Sintético de Filosofia (02 tomos) - 2010
  • Crônicos Contos Poéticos – 2010
  • Versos Reversos, poemas – 2010
  • Lilian em Versos - 2010
  • Deusas e Deuses Hindus - 2009
  • Onomástico dos Personagens e Lugares Bíblicos - 2009
  • Sobrevivendo com o Câncer Linfático – 2000 - 2012

Participação em trinta e duas Coletâneas e Antologias.

ALGUNS PRÊMIOS RECEBIDOS:

  • Classificado em 1º lugar no “MAPA CULTURAL PAULISTA” da Secretaria de Cultura do Governo do Estado de SÃO PAULO em 2013-2014 com o poema “Sete de Setembro”. 
  • Eleito um dos melhores poetas luso-brasileiros de 2012, pela Associação de Poetas de região autónoma de Madeira - Secretaria de Cultura de S.G do Amarantes, PORTUGAL, em comemoração ao ano do Brasil – Portugal.
  • Classificado na seletiva da Editora "L-Harmattan", Paris, FRANÇA, em 2010 com o livro "Lilian em Versos". 
  • Classificado para a Feira do livro de Frankfurt, ALEMANHA, em setembro/outubro 2010, com os contos "A Valsa" e "Deus, o homem e o vinho". 
  • Eleito "POETA REVELAÇÃO", em 2009, pela Editora Corpos cidade do Porto – PORTUGAL. 
  • Selecionado em 2006, pela Biblioteca Pública do Estado do Paraná, CURITIBA, para integrar o acervo digital da Instituição com o livro do livro "Sobrevivendo com o Câncer (1ª edição)". 
  • Classificado em 2º lugar no “XVI Concurso Internacional de Literatura da ALPAS 21”, PORTO ALEGRE, RS com a poesia "SECA" e menções honrosas para as poesias “A vida é”; “A tortura”; “Cordel”; “Boca” e “Ceia”. 
  • Classificado em 1º Lugar no “XV Concurso Internacional de Literatura – ALPAS 21”, PORTO ALEGRE, RS, com o Conto "Deus, o homem e o vinho". 
  • Classificado em 2º Lugar no “XIV Concurso Internacional de Poesias - da Casa de Cultura” CRUZ ALTA, RS. Com o poema “Luz” e menções honrosas para as poesias “Voz”, “Jarro” e para o conto “Lulu vegetariana” 
  • Classificado como um dos melhores poetas de 2009 pela ed. CBJE – Brasil, com a poesia "Ausência em amarelo". 
  • Eleito "Personalidade do ano de 2010" e “Personalidade do ano de 2012/2013” na área de produção literária, pela ARTPOP, Academia de Artes de Cabo Frio e região dos Lagos no Rio de Janeiro.

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Filosofia Sem Mistérios - Dicionário Sintético 50

EMPIRISMO – LOCKE – nada se encontra no Espírito que não tenha, antes, estado nos Sentidos.
LEIBNIZ – a não ser o próprio Espírito.
O famoso diálogo entre os dois grandes Filósofos ilustra perfeitamente a divisão que existe entre esses dois Campos Filosóficos. Um privilegia a Experiência, enquanto que o outro, o Raciocínio, a Razão, o Espírito. E essa divisão entre o Material e o que está além do Material (o Metafísico) é uma das mais importantes no Estudo do Homem e da Vida; pois, se não se acredita no Metafísico está-se admitindo que o Homem seja um mero amontoado de moléculas, como qualquer outra coisa da Natureza. Por outro lado, ao se acreditar na Metafísica, ou Sobrenatural, está-se admitindo que sejam “mais e além” que um simples amontoado de moléculas. Que são superiores às outras coisas e aos outros Seres da Natureza; tese que, atualmente, é vista com mais reserva, pois o poder da Religião de dar ao Homem o papel de “Espécie Eleita” decai continuamente, levando consigo essa idéia, a qual, aliás, para muitos, não passa de mera presunção.
Discussões a parte, reafirmamos a importância dessa questão no estudo de Filosofia e sugerimos que o (a) Leitor (a) atente para esse capitulo, pois no decorrer de nossos estudos tornaremos a encontrar com essa encruzilhada.
O Empirismo é a Doutrina que afirma que todo Conhecimento chega ao Homem, direta ou indiretamente, graças única e exclusivamente à Experiência Empírica (que estuda os fenômenos usando os Sentidos: tato, paladar, audição, visão, olfato). Relembrando que Empírico é tudo que deriva, ou é o resultado, da Experiência passada ou presente; sem que, necessariamente, esteja ligada a alguma Lógica. Será aquilo que se vê, escuta, toca, ouve e/ou sente, em várias experiências iguais e sucessivas. Por exemplo: sabe-se que o limão é azedo, porque após experimentá-lo algumas vezes, o paladar percebe esse sabor. Sabe-se, a principio, que é azedo, mas não sabe qual é o motivo (qual é lógica) para que seja azedo.
O Empirismo como doutrina solidificou-se com o inglês LOCKE (1632/1704) e, depois, com o escocês HUME (1711/1776). Ambos, e seus seguidores, pregaram que NÃO existem outras fontes para se adquirir Conhecimentos além da Experiência e da Sensação, que é a percepção (o que o Indivíduo percebeu) do que ocorreu no experimento. O Indivíduo que se relaciona com alguma experiência, sente ou percebe (tem a sensação) o resultado da mesma. Começou, pois, a aprender com essa sensação. Mas, a Sensação é temporária, perecível e com sua fragilização nasce a Idéia que recolhe aquele Conhecimento, aprimora-o e o guarda, já como Conceito, na Memória.
A partir dessa visão, para os “Empiristas Ingleses” não existem Idéias inatas (já presentes no Homem antes que ele aprenda com qualquer experiência) e como o Empirismo é materialismo, rejeitavam a existência de qualquer especulação (o ato de pensar, raciocinar, aprender) metafísica ou sobrenatural. Ou simplesmente intelectual.
O Empirismo nunca esteve perto de ser uma unanimidade, pois contrário a ele havia, e existem, aqueles que imaginam o Homem como mais que um simples conjunto de Carbono e água, como se citou acima. Que a existência não pode estar relacionada apenas com a Matéria. O próprio LEIBNIZ poderia ter tripudiado sobre LOCKE argumentando que a existência do Espírito deve, mesmo, ser Real, pois até os Empiristas o admitiam, embora o enxergassem como um quadro a ser preenchido. Não se sabe se o fez.
Ademais, ao se aceitar o Empirismo, automaticamente renuncia-se ao “direito” de Ser membro da “Espécie Eleita”, com obvias implicações religiosas e mesmo de caráter Humanista (o Homem é o Centro de tudo. A medida de todas as coisas)
O filósofo KANT (1724/1804) tentou resolver o impasse admitindo que de fato o Conhecimento chegasse ao Homem através das Experiências Empíricas, mas ao chegar à Mente a Sensação ou a Percepção (sobre o que se viu, sentiu, tocou ...) é organizada segundo certas “regras” que são próprias do cérebro, que fazem parte de sua estrutura, e só depois de ter sido “processada” é que o Conhecimento se torna um Conceito, ou um Conhecimento efetivo. Diferente, pois, daquele que chegou em “estado bruto”
Para KANT, embora seja indispensável a Experiência Empírica NÃO é a única forma de Conhecimento, pois existem conhecimentos que se localizam apenas no intelecto, como, por exemplo: sabe-se que 2+1=3, sem que seja necessário contar três coisas; ou, sabe-se que um triângulo tem três lados, mesmo que não seja visto ou tocado.
Recorte – É verdade que o Conhecimento Intelectual pode ser questionado e se argumentar que: se hoje é possível esse modo de Conhecimento não foi sempre assim, pois alguém num Passado remoto teve que contar três coisas para chegar ao resultado que hoje se chega intelectualmente. Mas apenas porque alguém já fizera a Experiência. É um argumento válido, mas fica sem solução definitiva, porque réplicas e tréplicas podem se suceder indefinidamente.
Ademais, ainda por KANT, a Experiência é insuficiente para produzir Saber, uma vez que as Sensações que libera, em estado bruto, serão inúteis se não forem organizadas pela Mente. Logo, é necessário que ambos os modos atuem para que os Saberes sejam efetivos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário