Quem sou eu

Minha foto

Escritor por ofício, natural de Poços de Caldas - MG, 57 anos, divorciado, residente no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Acadêmico correspondente da Academia de Arte de Cabo Frio e cidades da região dos lagos RJ; Acadêmico correspondente da Academia de Artes de Fortaleza CE; Acadêmico Corresponde da Academia de Letras ALPAS 21, Porto Alegre, RS.

Colunista nos Websites de Literatura:

  1. Recanto das Letras - Brasil
  2. World Art Friends - Portugal
  3. Poesia Fã Clube – Portugal
  4. Luso Poemas - Portugal

e titular dos  WebSite e Blog:

www.fabiorenatovillela.com

http://fabiorenatovillela.blogspot.com

                        LIVROS SOLOS PUBLICADOS

  • Poética 1 (pré lançamento)
  • Filósofos Modernos e Contemporâneos - (prelo)
  • Adaptação de OS LUSÍADAS ao Português Atual – 2000 -2007 - 2013
  • Umas 300 Poesias - 2012
  • Gregas Tragédias - Resumos Comentados - 2011
  • Cristina Poema – 2011
  • Filosofia Sem Mistérios - Dicionário Sintético de Filosofia (02 tomos) - 2010
  • Crônicos Contos Poéticos – 2010
  • Versos Reversos, poemas – 2010
  • Lilian em Versos - 2010
  • Deusas e Deuses Hindus - 2009
  • Onomástico dos Personagens e Lugares Bíblicos - 2009
  • Sobrevivendo com o Câncer Linfático – 2000 - 2012

Participação em trinta e duas Coletâneas e Antologias.

ALGUNS PRÊMIOS RECEBIDOS:

  • Classificado em 1º lugar no “MAPA CULTURAL PAULISTA” da Secretaria de Cultura do Governo do Estado de SÃO PAULO em 2013-2014 com o poema “Sete de Setembro”. 
  • Eleito um dos melhores poetas luso-brasileiros de 2012, pela Associação de Poetas de região autónoma de Madeira - Secretaria de Cultura de S.G do Amarantes, PORTUGAL, em comemoração ao ano do Brasil – Portugal.
  • Classificado na seletiva da Editora "L-Harmattan", Paris, FRANÇA, em 2010 com o livro "Lilian em Versos". 
  • Classificado para a Feira do livro de Frankfurt, ALEMANHA, em setembro/outubro 2010, com os contos "A Valsa" e "Deus, o homem e o vinho". 
  • Eleito "POETA REVELAÇÃO", em 2009, pela Editora Corpos cidade do Porto – PORTUGAL. 
  • Selecionado em 2006, pela Biblioteca Pública do Estado do Paraná, CURITIBA, para integrar o acervo digital da Instituição com o livro do livro "Sobrevivendo com o Câncer (1ª edição)". 
  • Classificado em 2º lugar no “XVI Concurso Internacional de Literatura da ALPAS 21”, PORTO ALEGRE, RS com a poesia "SECA" e menções honrosas para as poesias “A vida é”; “A tortura”; “Cordel”; “Boca” e “Ceia”. 
  • Classificado em 1º Lugar no “XV Concurso Internacional de Literatura – ALPAS 21”, PORTO ALEGRE, RS, com o Conto "Deus, o homem e o vinho". 
  • Classificado em 2º Lugar no “XIV Concurso Internacional de Poesias - da Casa de Cultura” CRUZ ALTA, RS. Com o poema “Luz” e menções honrosas para as poesias “Voz”, “Jarro” e para o conto “Lulu vegetariana” 
  • Classificado como um dos melhores poetas de 2009 pela ed. CBJE – Brasil, com a poesia "Ausência em amarelo". 
  • Eleito "Personalidade do ano de 2010" e “Personalidade do ano de 2012/2013” na área de produção literária, pela ARTPOP, Academia de Artes de Cabo Frio e região dos Lagos no Rio de Janeiro.

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Filosofia Sem Mistérios - Dicionário Sintético - 44

DUALISMO – do latim “DUALIS” = em número de dois.
Embora esse termo já tivesse sido usado por PLATÃO que diferenciava as IDÉIAS (os modelos, os padrões, os originais dos quais se fazem as cópias materiais) dos FENÔMENOS (as coisas físicas, concretas que foram feitas a partir das “instruções” das IDÉIAS) e, também, por outros Pensadores, a palavra “Dualismo” é mais frequentemente associada a DESCARTES (1596/1650 França), cujo sistema Filosófico baseia-se na divisão entre o PENSAMENTO e a EXTENSÃO, a qual, para o Sábio, era o nome da MATÉRIA (física, concreta) ou o ATRIBUTO (a característica) principal da SUBSTÂNCIA (ou essência) dos corpos, os quais, só são conhecidos pela sua figura e pelo seu movimento. Em outros termos: eu não consigo perceber a Essência de um Objeto ou de um Corpo, mas sei de sua existência porque consigo perceber a sua aparência física e/ou seu movimento. Para Descartes, a Realidade (ou o Real) é composta de duas Substâncias (ou Essências) independentes e incompatíveis, na medida em que são “feitas” ou constituídas por elementos diferentes. Todavia, embora incompatíveis quanto à forma, são complementares quanto à finalidade; pois a Extensão ou aparência sinaliza a presença de certa Essência, a qual, por sua vez, é a “Alma” daquela “Coisa Aparente ou Perceptível”, sem a qual, a mesma não existiria.
Claro que além de Descartes, outros filósofos usaram o vocábulo “Dualismo” em diferentes Sistemas de Pensamento. Em geral essa palavra representa toda Doutrina ou Tendência Filosófica que aceita a existência de dois Princípios ou Proposições, ou Afirmações, ou Negações; não importando em qual Campo (concreto, abstrato, mental, corporal etc.) tais Princípios estejam. São via de regra, Realidades irredutíveis e opostas, como, por exemplo: Vida e Morte, Razão e Experiência, Teoria e Prática etc..
Ao Dualismo se opõem o Monismo* e o Pluralismo*, mas a Idéia do Dualismo é, sem dúvidas, a que mais se aceita e, talvez, pelo fato de que no cotidiano o Homem conviva com esse duplo caminho que lhe obriga a fazer constantes escolhas, ainda que delas não se aperceba em razão de ter incorporado esse hábito ao ponto de achar-lhe natural.

Um comentário:

  1. Que lugar fantástico! Fez-me recuar no tempo e reflectir no PRESENTE. Parabéns! Feliz 2010!
    Isabel Montes

    ResponderExcluir