Quem sou eu

Minha foto

Escritor por ofício, natural de Poços de Caldas - MG, 57 anos, divorciado, residente no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Acadêmico correspondente da Academia de Arte de Cabo Frio e cidades da região dos lagos RJ; Acadêmico correspondente da Academia de Artes de Fortaleza CE; Acadêmico Corresponde da Academia de Letras ALPAS 21, Porto Alegre, RS.

Colunista nos Websites de Literatura:

  1. Recanto das Letras - Brasil
  2. World Art Friends - Portugal
  3. Poesia Fã Clube – Portugal
  4. Luso Poemas - Portugal

e titular dos  WebSite e Blog:

www.fabiorenatovillela.com

http://fabiorenatovillela.blogspot.com

                        LIVROS SOLOS PUBLICADOS

  • Poética 1 (pré lançamento)
  • Filósofos Modernos e Contemporâneos - (prelo)
  • Adaptação de OS LUSÍADAS ao Português Atual – 2000 -2007 - 2013
  • Umas 300 Poesias - 2012
  • Gregas Tragédias - Resumos Comentados - 2011
  • Cristina Poema – 2011
  • Filosofia Sem Mistérios - Dicionário Sintético de Filosofia (02 tomos) - 2010
  • Crônicos Contos Poéticos – 2010
  • Versos Reversos, poemas – 2010
  • Lilian em Versos - 2010
  • Deusas e Deuses Hindus - 2009
  • Onomástico dos Personagens e Lugares Bíblicos - 2009
  • Sobrevivendo com o Câncer Linfático – 2000 - 2012

Participação em trinta e duas Coletâneas e Antologias.

ALGUNS PRÊMIOS RECEBIDOS:

  • Classificado em 1º lugar no “MAPA CULTURAL PAULISTA” da Secretaria de Cultura do Governo do Estado de SÃO PAULO em 2013-2014 com o poema “Sete de Setembro”. 
  • Eleito um dos melhores poetas luso-brasileiros de 2012, pela Associação de Poetas de região autónoma de Madeira - Secretaria de Cultura de S.G do Amarantes, PORTUGAL, em comemoração ao ano do Brasil – Portugal.
  • Classificado na seletiva da Editora "L-Harmattan", Paris, FRANÇA, em 2010 com o livro "Lilian em Versos". 
  • Classificado para a Feira do livro de Frankfurt, ALEMANHA, em setembro/outubro 2010, com os contos "A Valsa" e "Deus, o homem e o vinho". 
  • Eleito "POETA REVELAÇÃO", em 2009, pela Editora Corpos cidade do Porto – PORTUGAL. 
  • Selecionado em 2006, pela Biblioteca Pública do Estado do Paraná, CURITIBA, para integrar o acervo digital da Instituição com o livro do livro "Sobrevivendo com o Câncer (1ª edição)". 
  • Classificado em 2º lugar no “XVI Concurso Internacional de Literatura da ALPAS 21”, PORTO ALEGRE, RS com a poesia "SECA" e menções honrosas para as poesias “A vida é”; “A tortura”; “Cordel”; “Boca” e “Ceia”. 
  • Classificado em 1º Lugar no “XV Concurso Internacional de Literatura – ALPAS 21”, PORTO ALEGRE, RS, com o Conto "Deus, o homem e o vinho". 
  • Classificado em 2º Lugar no “XIV Concurso Internacional de Poesias - da Casa de Cultura” CRUZ ALTA, RS. Com o poema “Luz” e menções honrosas para as poesias “Voz”, “Jarro” e para o conto “Lulu vegetariana” 
  • Classificado como um dos melhores poetas de 2009 pela ed. CBJE – Brasil, com a poesia "Ausência em amarelo". 
  • Eleito "Personalidade do ano de 2010" e “Personalidade do ano de 2012/2013” na área de produção literária, pela ARTPOP, Academia de Artes de Cabo Frio e região dos Lagos no Rio de Janeiro.

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Filosofia Sem Mistérios - Dicionário Sintético 159

PLURALISMO – do Latim “PLURALIS” = diversidade.


Em termos ideológicos significa a convivência tolerante – harmoniosa em alguns casos – de idéias diversas e contrárias dentro de um mesmo grupo, povo ou País. Nesse sentido é que se diz, por exemplo, “Pluralismo democrático”. Esse comportamento ganhou força nos últimos tempos, graças aos avanços nas Comunicações (televisão por satélites, internet, celulares etc.) que permitem censuras imediatas a condutas autoritárias; as quais, ainda que aconteçam, já não dispõem do véu que antes encobria suas ilegalidades, imoralidades e crueldades. Esse avanço tecnológico também criou certo “modismo positivo” ao inculcar nas pessoas noções de tolerância e respeito aos diferentes.

Em termos filosóficos, é a Corrente que prega a existência de múltiplos elementos e/ou múltiplos Seres, cada qual com suas características individuais, as quais podem divergir em aspectos isolados, mas sendo comuns em termos de “Linhas Gerais”. Exemplo claro pode ser visto na Humanidade, onde o Homem branco europeu difere do Homem negro africano no tocante a costumes e Cultura, porém, ambos são iguais na Condição Geral de serem Homens.

Em termos de elementos materiais, físicos, concretos; e em termos de normas, regras, princípios que formaram o Universo, é a pregação que Correntes Filosóficas Pluralistas fazem acerca da existência indispensável de “múltiplos”. Claro que com a eliminação de qualquer possibilidade do “dualismo*” e, também, com a impossibilidade de se minimizar, ou reduzir, a Realidade a um único elemento, ou princípio, como pensavam os filósofos pré-socráticos que buscavam o “Elemento Primordial ou Primeiro”, o chamado Arké, do qual todo resto seria derivado. Impossibilidade, aliás, que é estendida a qualquer quantidade fixa que se presuma como formadora do Universo, da Realidade.

Essa tendência filosófica tem em WILLIAM JAMES (1842/1910, EUA) seu representante mais conhecido, principalmente devido à sua obra “A PLURALISTIC UNIVERSE”, publicado em 1900.

Nenhum comentário:

Postar um comentário